27 março, 2007

ÂNUS VAZIOS

sentido de arrepio
é o que sentimos
na gélida solidão
sem mimos
e não sorrimos...

O senhor vazio me encara,
Com seu rosto bruto e plácido,
solidão, ah, amiga da mão erma,
toca-me enquanto canta o fim.

amiga mão erma
seremos um, eu e tu!
seremos qualquer um
nao temas em comer meu cu!


(Andréa L.C./Márcio A.B.)

12 março, 2007

era uma vez a menina árvore
que incorporava poesia
sabia brincar noite e dia
e depois ficava offline!

Estaticamente vivia,
sobre aquela cadeira fria,
esperando pelos poemas scrapianos,
que o menino flautista lhe escrevia...

e o menino flautista
colava mal-colado
pois pra ser dadá
tem que ser mal e mau colado...

pois o q importa é incorporar!

("Não precisa de nome, é dadá!"- Andréa L.C; Márcio A.B)

03 março, 2007

O RISO

O riso extravagante
poderia poupar mais vogais.

o riso preso desfarçado
poderia poupar mais saliva.


o riso subentendido
poderia poupar mais gemidos.
o riso náufrago entristecido
poderia poupar mais lágrimas suspensas.


o riso mineral
poderia poupar mais botox.


o riso enlatado
poderia poupar mais caldos.

E o riso fajuto
antônimo dos dentes matutos.
E o riso astuto
pungente dos urubus sem vultos.


E as tantas folhas do livro de piadas...
RECORTADAS!


E o suspiro das pedras consumadas
retalhadas na angústia da criatura amada.

(Aline Barbosa/Márcio Boas)